quinta-feira, 12 de abril de 2012

TOP 10 BD de Gabriel Martins (Loot) do Alternative Prison


O que é uma boa adaptação de BD? Consoante a resposta as listas podem ser bastante diferentes. Para fazer a minha privilegiei o meu gosto pelos filmes em questão, afinal de contas não interessa se a BD é uma obra-prima se o filme falhar redondamente. Mas, estamos a falar de adaptações e esse processo também foi, obviamente, pesado nas decisões. Claro que para mim uma adaptação de uma obra não tem de ser literal, o mais importante é que o espirito esteja lá e que resulte em Cinema.

10 – Road to Perdition

Já vi o filme e li a BD de Max Allan Collins e Richard Piers Rayner  há bastante tempo, mas lembro-me de ter gostado bastante de ambos. Sam Mendes tinha aqui a sua segunda longa-metragem depois do aclamado “American Beaty”.
Não superado o seu predecessor ,“Road To Perdition” não deixa de ser um belo filme,  sobre a relação entre um pai e um filho em busca de vigança. A acção desenrola-se durante a grande depressão Americana e está envolvida nos meandros da máfia italiana. Com Paul Newman num dos seus últimos grandes papéis.
A história tem como inspiração o mangá “Lone Wolf and Cub” que conta com uma série de adaptações cinematográficas.

9 - Ichi the Killer


“Ichi The Killer” trata-se de uma adaptação do mangá de Hideo Yamamoto, no entanto, se fosse uma ideia original de Takashi Miike, ninguém duvidaria. A forma como filmou esta história tem o seu cunho pessoal e afinal de contas não é isto que faz um grande realizador?
É um filme intenso e que logo no início dos demonstra que não nos vai poupar o estômago. Caramba alguma vez viram um filme em que os créditos iniciais surgem no meio de sémen? O resultado, saído da mente de Miike, é um filme fabuloso e doentio, que tem em Kakihara uma das maiores personagens de sempre neste género de cinema.

8 – Scott Pilgrim VS The World




Tenho ideia que “Scott Pilgrim” é o único filme sobre uma BD que foi feito ainda antes de esta estar concluída. Não é que seja composta por muitos volumes (6 ao todo)  mas na altura em que Edgar Wright o decidiu filmar,  Bryan Lee O'Malley ainda só tinha editado o primeiro volume. Foi caso para dizer, “amor à primeira vista”.
Uma história explosiva e carregada de referências a um cultura ligada à BD e aos jogos de vídeo dos anos 80. Caramba aquele início com o logo da Universal em 8 bits foi genial.

7 - American Splendor


Misto de filme, documentário e até mesmo BD, “American Splendor” é uma obra diferente e audaz que não teme em arriscar. Consiste na adaptação da BD auto-biográfica de Harvey Pekar, que infelizmente faleceu no ano passado.
A história da sua vida, desde como criou a BD até como enfrentou um cancro é toda contada no filme, como havia já sido feito em BD.
Pelo caminho o filme vai alternando com cenas reais onde conhecemos o verdadeiro Pekar e os seus amigos, os quais todos participaram a dada altura nas suas histórias. Pekar fez aquilo que muitos de nós gostaríamos de fazer, tornou-se numa personagem de BD. O seu papel ficou a cargo de Paul Giamatti, que é um dos grandes actores da sua geração e um dos pontos mais fortes do filme.

6 – Persepolis


“Persepolis” é a adaptação da BD auto-biográfica de Marjane Satrapi que viveu no Irão até ser enviada pelos pais para França a fim de ter uma vida melhor. É uma história poderosa que é tanto capaz de nos fazer soltar uma forte gargalhada como um longo suspiro. É o único filme de animação que coloquei no top. Sendo de animação a proximidade com a BD é ainda maior, é como dar movimento aos desenhos e nesse sentido “American Splendor” (para me cingir às biografias) é muito mais ousado. Em filme o que se aproximou mais do livro foi “Sin City” que podemos discutir se se trata de uma adaptação ou transposição de uma BD.

5 – X2





É obrigatório salientar o trabalho que Bryan Singer fez em “X-Men”, foi o seu primeiro filme que começou a infectar todos com a febre destas “novas” adaptações. Já esse era um bom filme, mas em “X2”, com um maior orçamento, Singer excedeu-se e criou um filme excepcional sobre os mutantes mais populares do mundo. “First Class” também não destoaria nesta lista, mas para poder falar de outros decidi escolher apenas um sobre os X-Men e penso que este é mesmo o meu favorito.

4- Ghost World



A melhor coisa que Terry Zwigoff fez (se é que a ideia foi dele) foi ter a seu lado Daniel Clowes na escrita do argumento deste filme. Ora Clowes é o autor da BD, logo escolha mais perfeita não haveria. Podia até não funcionar, mas “Ghost World” tem uma linguagem que flui bem em cinema e qualquer coisa que não funcionasse, bem vou assumir que Zwigoff percebe de escrita para cinema.
A BD não é muito longa e por isso não é de admirar que o argumento do filme seja significativamente diferente apesar de ter inúmeras referências e cenas idênticas às da BD. Claro que com Clowes no argumento o espírito mantêm-se intacto, o filme transmite exactamente o mesmo sentimento e ideia que a BD, ocorte com a adolescência, a entrada na idade adulta e as escolhas que vêm com isso.
Com as actrizes escolhidas cria talvez o expoente máximo da fantasia sexual teen (a Enid da BD não é tão bonita).

3 - A History of violence



Esta numeração é sempre complicada, prefiro por exemplo o argumento de “Ghost World” ao deste e ambos estiveram nomeados aos óscares, contudo “A History of Violence” tem uma realização que me seduz mais. Claro que ambos têm o estilo que precisam de ter, no fundo queria que fosse um empate.
Normalmente o lema é “se tens uma boa história, cinge-te a ela, não inventes”, mas estamos a falar de Cronemberg e um grande realizador faz toda a diferença quando falamos de cinema, estou a constatar o óbvio…
A história do filme segue o 1º capítulo da BD de John Wagner e Vince Locke, mas depois segue o seu próprio caminho e até dá uma origem diferente ao protagonista. Claro que a alma da violência continua toda lá que é o mais importante, mas Cronemberg pegou numa história e tornou-a sua, aquele seu final é um dos momentos mais icónicos do cinema actual. Talvez para uns isto não seja uma boa adaptação, mas que é um filme do caraças, é.

2 – The Dark Knight


Poucas dúvidas existirão sobre, até à data, qual o melhor filme de super-heróis deste novo século. Sim Batman não é na sua génese um “super”-herói, mas não vamos perder tempos com preciosismos.
Foi criado por Bob Kane e Bill Finger e deve ser o herói que conta com mais adaptações cinematográficas. Actualmente chegou-nos pelas mãos de Nolan que após uma bela introdução nos apresentou o confronto entre Batman e o seu maior arqui-vilão, o Joker, brilhantemente interpretado por Heath Ledger.

1 – Oldboy



Há filmes deste género que chegam a nós por serem a adaptação de determinada BD. “Oldboy” chegou até nós por ser um grande filme, ponto final.
Uma das excelentes e mais aclamadas obras cinematográficas vindas da coreia do sul por acaso consiste numa adaptação de mangá da autoria de Garon Tsuchiya e Nobuaki Minegishi.
O filme teve tanto impacto que é provavelmente graças a ele que a BD foi editada em inglês pela Dark Horse.

6 comentários:

  1. Olha, tantos repetidos :D Daqui só trocava o Batman pelo primeiro, pelas razões que já referi nos comentários anteriores. Já os dois asiáticos, confesso que nem sabia que eram BD, mas ambos os filmes são recomendáveis.

    ResponderEliminar
  2. Excelente lista, com alguns títulos que já nem me recordava serem adaptações de BD mas que, para mim e enquanto Cinema, são do melhor que se produziu nos últimos anos!

    Cumps cinéfilos.

    ResponderEliminar
  3. Projeccionista: também gosto do Begins, mas tal como nos x-Men não queria gastar 2 posições na mesma BD. Se bem me lembro partilhamos 50% da lista :P

    Sam: Obrigado e é exactamente o que penso, adaptações ou não há aqui filmes que são do melhor que se faz na passada década :)

    Filmpuff: Nem mais ;)

    ResponderEliminar
  4. Uma boa lista a do Gabriel. Obviamente que concordo e ficam duas sugestões para ver: Persepolis (que já tenho o DVD para um dia destes ver) e o Ichi the Killer.
    Well done!

    ResponderEliminar